Canais do youtube Anisia Nascimento

Loading...

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

The Name of the Rose Umberto Eco Audiobook Part 1 2

Douglas Pedro: Douglas Pedro - Quem é - de Silvinho Santiago

Douglas Pedro: Douglas Pedro - Quem é - de Silvinho Santiago

Douglas Pedro: Primeiro Lançamento

Douglas Pedro: Primeiro Lançamento: Apresento aqui algumas do meu primeiro material gravado, estarei disponibilizando 1 faixa deste primeiro trabalho Um abraço a todos! ...

Douglas Pedro - Quem é - de Silvinho Santiago

Donos da Mídia: 6 Senadores

Resumo da Ópera: Leia o Livro, Veja o Filme: O Nome da Rosa

Resumo da Ópera: Leia o Livro, Veja o Filme: O Nome da Rosa: LIVRO: O NOME DA ROSA A história se passa em uma abadia italiana em 1327 . Frei Guilherme de Baskerville e seu aprendiz, Adso de Me...

Gaveta de Bagunças: UMBERTO ECO: O Nome da Rosa

Gaveta de Bagunças: UMBERTO ECO: O Nome da Rosa: O livro O Nome da Rosa é um marco da cultura pop e, quiçá, o maior best seller dos anos 80. Sua adaptação para a sétima arte nã...

Blog do Neófito: Obras de Umberto Eco, O Nome da Rosa e sua adaptaç...

Blog do Neófito: Obras de Umberto Eco, O Nome da Rosa e sua adaptaç...: Capa de minha edição de  O Nome da Rosa  e, atrás, os outros cinco romances do autor italiano. Deixo esta escritura, não sei para quem,...

MUITO ALÉM DAS PALAVRAS E SENTIDOS: FILME - O NOME DA ROSA

MUITO ALÉM DAS PALAVRAS E SENTIDOS: FILME - O NOME DA ROSA: Titulo no Brasil: O Nome da Rosa Gênero: Suspense  Direção: Jean-Jacques Annaud  Elenco: Sean Connery, Christian Slater, Valen...

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

ORDEM DE SERVIÇO CONJUNTA Nº 01/2015

ORDEM DE SERVIÇO CONJUNTA Nº 01/2015

CONSIDERANDO que o art. 131 da Lei Federal nº 8.069/90, estabelece ser o Conselho Tutelar órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente e que, o colegiado formado pelos Conselheiros Tutelares de cada Conselho Tutelar, são os responsáveis pelo órgão e pela organização interna dos trabalhos de garantia dos direitos infanto juvenis;

CONSIDERANDO a necessidade, interna, em regulamentar a forma em que os serviços de transportes, assessoria técnica prestada por Psicólogos e Assistentes Sociais e dos auxiliares administrativos, disponibilizados a todos os Conselhos Tutelares da Cidade do Rio de Janeiro e ainda, como tais serviços serão prestados no apoio aos Conselheiros Tutelares no atendimento à população infanto juvenil pelos Conselhos Tutelares;

CONSIDERANDO a decisão conjunta, tomada em reunião de colegiado formado por Conselheiros Tutelares da maioria dos 17 Conselhos Tutelares em funcionamento na Cidade do Rio de Janeiro, realizada no dia 23/07/2015 às 14 horas na sede do Conselho Tutelar de Jacarepaguá, situado na Estrada Rodrigues Caldas nº 1.400 – Colônia – Jacarepaguá – Rio de Janeiro – RJ, conforme registrado e assinado, em livro ata;

RESOLVEM os Conselheiros Tutelares conjuntamente e em colegiado formado por representações da grande maioria dos Conselhos Tutelares da Cidade do Rio de Janeiro, observando os limites de suas autonomias e independência, visando atender ao princípio da prioridade absoluta e a necessidade imperiosa do serviço público prestado à população infanto juvenil, expedir a presente ORDEM DE SERVIÇO com a finalidade de disciplinar e organizar a forma pela qual, os serviços de transportes, assessoria técnica por Psicólogos e Assistentes Sociais, apoio dos auxiliares administrativos, disponibilizados aos Conselhos Tutelares, serão prestados no atendimento aos Conselheiros Tutelares no exercício de suas atribuições especificadas no art. 136 da Lei nº 8.069/90, bem como a forma de organização do atendimento, interno, no âmbito dos Conselhos Tutelares, sem prejuízo do disposto nas demais Ordens de Serviço em vigor que não contrariem a presente.

Art. 1º - Sendo os Conselheiros Tutelares mandatários, eleitos pela comunidade local pelo voto direto, secreto e em urnas, no exercício do “munus público”são os únicos responsáveis pelo órgão Conselho Tutelar e os únicos que coordenam, internamente, os trabalhos, as ações e a forma pela qual os serviços disponibilizados pelo poder público serão executados no atendimento às necessidades de assessoria técnica prestada por Assistentes Sociais e Psicólogos, apoio por auxiliares administrativos e auxiliares de serviços gerais, bem como motoristas que prestam serviços de trasportes aos Conselhos Tutelares:

Art. 2º - Compete ao motorista disponibilizado pela Prefeitura do Rio de Janeiro – SMDS, conforme cláusula 2ª – Item 2.1 do Convênio firmado entre o Município do Rio de Janeiro com a Central de Oportunidades e COOP Rio, prestar serviços de transportes aos Conselhos Tutelares, transportar pessoal, expediente e material, 30 dias/mês com motorista e combustível, durante 12 horas dia em horário diurno e noturno;


 § 1º - Deverá transportar os Conselheiros Tutelares, pegando-os nos locais em que eles indicarem para: visitas, reuniões, assembleias, audiências, conferências, comissões pertinentes e cursos afins e/ou qualquer ações referente ao serviço prestado pelo Conselho Tutelar, como também, transportar pais e responsáveis, crianças, adolescentes, ou quaisquer outras pessoas que estejam envolvidas nos atendimentos ou ações do órgão tutelar;

§ 2º - Entregar documentos e expedientes do Conselho Tutelar, podendo se fazer acompanhar de um administrativo ou auxiliar de serviços gerais.

§ 3º - Cabe ao Conselheiro Tutelar plantonista rubricar os Boletins Diários de Trânsitos (BDT’s), autorizando ou não os deslocamentos dos motoristas no período em que estiverem prestando serviços e à disposição dos Conselhos Tutelares, podendo ser registrado a autorização e itinerários em livro de ocorrência próprio, pelo Conselheiro Tutelar responsável pelo expediente.

Art. 3º - Sem prejuízo do disposto no artigo anterior, em conformidade com a cláusula 2ª – Item 2.1 do Convênio firmado entre o Município do Rio de Janeiro com a Central de Oportunidades e a COOP RIO, sendo o celular material de uso permanente e necessários à continuidade dos serviços prestados pelos Conselhos Tutelares à população infanto juvenil, compete ainda aos motoristas dos Conselhos Tutelares, buscarem na manhã seguinte, na residência dos Conselheiros plantonistas noturno, os telefones funcionais (celulares) ao final de cada plantão noturno, entregando-os nas sedes dos conselhos tutelares de origem.
§ 1º - Caso ocorra algum chamado no momento em que o celular estiver sendo transportado, o motorista não atenderá a ligação, mas deverá avisar ao Conselheiro que estiver no plantão diurno na sede do Conselho Tutelar;
§ 2º – Caberá ao Conselheiro Tutelar do Plantão diurno na sede do Conselho Tutelar, sendo comunicado pelo motorista de que houve algum chamado no momento em que o telefone estava sendo transportado, retornar à ligação registrada no visor do celular e efetuar o atendimento que se fizer necessário.
§ 3º - Se o conselheiro plantonista noturno for o apoio no plantão diurno do dia seguinte, caberá a este entregar o telefone funcional (celular) na sede do Conselho Tutelar.

Art. 4º - Nos plantões noturnos, os motoristas de plantão escalados, poderão serem acionados por telefone, devendo buscarem os Conselheiros Tutelares em suas residências, acompanha-los até a conclusão das diligências, devendo ao término das referidas ações noturnas, transportá-los em segurança até o local de suas residências.

Art. 5º - Nos plantões de final de semana e feriados, os motoristas escalados pela Prefeitura do Rio de Janeiro, deverão permanecer à disposição dos Conselheiros Tutelares na sede do Conselho Tutelar, durante todo o horário do expediente das 09:00 horas às 18:00 horas, caso o expediente diurno esteja sendo desenvolvido na respectiva sede do órgão tutelar;

Art. 6ª - Sem prejuízo no atendimento prioritário às emergências do expediente diário, o uso dos veículos à disposição dos Conselhos Tutelares, deverão ser agendados, previamente, com autorização dos Conselheiros Tutelares plantonistas, junto à agenda própria a ser fixada no mural dos Conselhos Tutelares ou em outro local por eles indicados.

Parágrafo Único – Os veículos oficiais da marca FIAT – Pálio Weekend, serão utilizados para uso exclusivo no atendimento efetuado pelos Conselheiros Tutelares, não podendo serem utilizados, sem a autorização expressa dos Conselheiros Tutelares, para outros serviços administrativos de qualquer natureza, como entrega de documentos e expedientes administrativos;

Art. 7º - Fica, terminantemente, proibido a colocação de senhas para acesso e uso de qualquer equipamento alocado nas sedes dos Conselhos Tutelares, principalmente nos equipamentos de computadores, retenção de chaves de armários, da sede e dos arquivos, sem o conhecimento e autorização dos Conselheiros Tutelares.

Parágrafo Único – Todo e qualquer meio de comunicação disponibilizado pela rede mundial de internet (e-mail, watssap, facebook, etc.) que utilize o nome institucional Conselho Tutelar para comunicação de dados, informações, estatísticas de atendimentos ou rotina de trabalho interno dos Conselhos Tutelares para outros órgãos, inclusive para a SMDS, deverão ter a prévia autorização dos Conselheiros Tutelares, para serem criados, sendo obrigatório a disponibilização das senhas de acesso aos Conselheiros Tutelares, em respeito e proteção ao sigilo que deve nortear todos os trabalhos dos atendimentos efetuados no âmbito dos Conselhos Tutelares.

Art. 8º - O Conselho Tutelar em função da prioridade absoluta no atendimento à Criança e ao Adolescente e do caráter permanente na prestação de seus serviços, não poderá, em hipótese alguma e em nenhum dia, ficar sem o apoio da assessoria técnica de Assistente Social, Psicólogo e dos auxiliares administrativos, devendo as escalas de trabalhos dos profissionais que compõem a equipe técnica e dos administrativos serem submetidas à aprovação dos Conselheiros Tutelares, visto serem os Conselheiros Tutelares, os destinatários do apoio e dos referidos serviços de assessoria técnica dos Assistentes Sociais, Psicólogos e auxiliares administrativo;

Art. 9º – Compete aos Assistentes Sociais, assessorar os Conselheiros Tutelares na triagem do atendimento na sede do Conselho Tutelar, cadastrar e catalogar a rede de atendimento, elaborar relatórios, estudos sociais, ouvir os usuários, pais, responsáveis, crianças e adolescentes, quando solicitados pelos Conselheiros Tutelares, realizar visitas domiciliares para acompanhamento e verificação de denuncias e fiscalização às entidades de atendimentos emitindo relatório e parecer, acompanhados pelo menos de um Conselheiro Tutelar, participar de outras ações promovidas pelo Conselho Tutelar, quando solicitados pelos Conselheiros Tutelares.

Art. 10º – Compete aos psicólogos, assessorar os Conselheiros Tutelares na triagem do atendimento na sede do Conselho Tutelar, cadastrar e catalogar a rede de atendimento local, como também, a rede na área da psicologia e de saúde, elaborar relatórios e pequenas avaliações psicológicas, ouvir os usuários, pais, responsáveis, crianças e adolescentes, quando solicitados pelos Conselheiros Tutelares, nas ações interdisciplinares, realizar visitas domiciliares para acompanhamento de casos, verificação de denúncias e fiscalização de entidades de atendimentos, acompanhados pelo menos de um Conselheiro Tutelar, emitindo relatório e parecer, participar de outras ações promovidas pelo Conselho Tutelar, quando solicitados pelos Conselheiros Tutelares.

Art. 11 – Compete aos auxiliares administrativos: redigir e digitar oficios, abrir os casos, catalogar, arquivar corretamente, preencher formulários utilizados pelos Conselheiros Tutelares no atendimento à população, recepcionar os usuários, organizá-los por ordem de chegar, registrar as denuncias efetuadas pessoalmente e por telefone, receber os disque denuncias e disque 100, registrando-os em livro próprio, dando ciência, imediatamente, ao Conselheiro Plantonista, atender telefone, efetuar ligações para outros órgãos e serviços solicitados pelos Conselheiros Tutelares, elaborar atas, elaborar os expedientes administrativos, postar notificações e telegramas junto aos Correios, manter o controle de pontos dos funcionários, dando ciência ao Conselheiro Tutelar plantonista, elaborar ofícios que serão assinados pelos Conselheiros Tutelares com solicitação de materiais de consumo e o lanche em quantidade solicitada pelos Conselheiros Tutelares.
Parágrafo Único – Todo e qualquer documento documento impresso em papel timbrado dos Conselhos 
Tutelares, com informações relativas aos trabalhos desenvolvidos pelo órgão tutelar, somente poderão ser enviados para outros órgãos com a ciência e assinatura do Conselheiro Tutelar Plantonista;

Art. 12 - Dê-se ciência da expedição desta ordem de serviço ao Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, à Corregedoria dos Conselhos Tutelares, ao CMDCA, Comissão de Ética dos Conselhos Tutelares do Município do Rio de Janeiro, às Promotorias de Justiça da Infância e Juventude Regionais, da Capital e de Tutelas Coletivas, às Varas da Infância e Juventude Regionais e da Capital, Defensoria Pública (CEDEDICA);

Art. 13º – O descumprimento dessa Ordem de Serviço, poderá acarretar Representação à Vara da Infância e Juventude da localidade, caso ocorra algum tipo de prejuízo ao atendimento à população Infanto Juvenil, e/ou embaraço às ações do Conselho Tutelar, expedição de ofício com devolução ao órgão de origem com pedidos de providências administrativas;

Art. 14º - Não mais serão tolerados quaisquer atos que possam ser caracterizados como desacato, desrespeito ou que firam a honra e a moral dos Conselheiros Tutelares no exercício de suas funções, sem prejuízo das ações cíveis e criminais cabíveis.

Art. 15º – Cumpra-se imediatamente o ora determinado, entrando esta ordem de serviço em vigor na presente data.

Art. 16º – Dê-se publicidade afixando nos murais dos Conselhos Tutelares, em locais de visibilidades e acesso a todos, bem como, solicitando ao CMDCA-RIO a publicação no Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, após Arquive-se a presente em pasta própria.
Rio de Janeiro, 01 de agosto de 2015.

Conselheiros Tutelares que integram o Colegiado da maioria dos 17 Conselhos Tutelares
da Cidade do Rio de Janeiro.

Fernandinho - As 30 melhores (2015) HD